sexta-feira, 23 de março de 2012

É outro jogo

Estar preparado para ser campeão significa ter recursos e engenho para ganhar o tipo de jogo que o Benfica empatou hoje em Olhão.

Há um paradoxo que fica claro na escolha dos jogadores por Jesus: por um lado, se a prioridade é o campeonato, os titulares que ficaram de fora teriam de jogar hoje e ficar de fora contra o Chelsea ou contra o Porto; por outro, é evidente que não só o Benfica não pode jogar com as segundas escolhas nos quartos-de-final da Champions, porque vai contra toda a lógica, como que para ganhar ao Olhanense o Benfica não deveria precisar de jogar com o melhor onze, e o que jogou devia chegar.



A questão de fundo não é a escolha de jogadores. A questão de fundo é que este tipo de jogos – que acontecem sempre no campeonato porque os candidatos ao título têm sempre jogos-alçapão entre jogos mais mediáticos ao longo da época – requer um kit de sobrevivência específico.



Para ganhar jogos destes, em que a concentração e as pernas estão a 70 por cento, é preciso, antes de mais, saber ao que se vai. Pensar que os Olhanenses também fazem parte do nosso mundo e que vão encarar o jogo como o Benfica, para cumprir calendário, é o primeiro erro. O interesse dos Benficas e o interesse dos Olhanenses nestes jogos não é o mesmo. Uns estão a jogar a 70, os outros estão a jogar a 95/100.



Depois, é preciso saber que não se vai poder ir lá a pensar fazer apenas o jogo normal, porque o jogo normal não vai aparecer. Ou seja, é preciso ter consciência que, para ganhar, se vai ter de jogar de outra maneira. Basicamente, vai ser preciso jogar menos e jogar melhor. Tem de se tentar fazer menos coisas e conseguir fazer coisas mais bem feitas. Nos livres, por exemplo, não se deve contar com oito ou nove livres, porque só se vai ter três ou quatro. Nas trocas de bola, não se deve contar que os passes entrem bem tantas vezes, pelo que se deve passar a bola para determinados sítios e sem tentar inventar linhas de passe. O tipo de jogo tem de ser mais mecânico, mais automático, pedindo pouco à criatividade (que só funciona com a cabeça e as pernas frescas) e muito às rotinas.



Sabendo que o gás não vai durar o jogo todo, deve focar-se a agressividade num pico, durante um período mais curto, e usar-se de cinismo, sem vergonhas, durante o resto do tempo.



Para fazer tudo isto – que é muito, mas que é a chave das equipas-campeãs, porque este tipo de jogos vale entre 10 e 12 pontos por época, quando a diferença entre o primeiro e o segundo fica, em condições normais, entre os 6 e os 7 pontos – é preciso ter uma equipa construída, de facto, para ser campeã, e não apenas para ser uma equipa que saiba jogar futebol. Neste tipo de jogos, não é importante saber jogar futebol – é preciso saber ganhar. Quando se fala em saber jogar feio, é disto que se fala.



Evidências: a equipa do Benfica não mostrou agressividade, ambição, capacidade de concentração, preparação mental, técnica e táctica para conseguir ganhar este jogo. Não os mostrou antes da expulsão do Aimar nem os mostrou depois da expulsão do Aimar – que é uma má decisão, evidentemente, tomada por um árbitro com boa capacidade técnica mas que sofre do mesmo mal de muitos outros árbitros, que é o de apitar preocupado com o que se diz depois do jogo pelos advogados de acusação em vez de apitar preocupado em fazer justiça.



Para o Jesus, reduzir a perda do campeonato a um fora-de-jogo não assinalado ou a uma expulsão mal tirada serve. É igual ao litro. O problema, para ele, é menor. Hoje está no Benfica, amanhã está no Valência, depois de amanhã está no Porto, vai tendo as suas oportunidades e daqui a um ou dois anos tanto se lhe dá como se lhe deu se o Benfica aprendeu a ser campeão ou não, o que lhe interessa é salvar o couro.

Para os adeptos do Benfica, que vão ficar no Benfica até morrerem, durante mais 20, 30 ou 60 anos, reduzir a perda do campeonato aos supostos erros dos árbitros (ainda por cima esquecendo selectivamente os erros dos árbitros a favor do Benfica) é o pecado original. Já aqui disse que é o cancro do Benfica. Reafirmo-o.



Um Benfica campeão pode perder um jogo como o de hoje, em Olhão – mas só o perde por manifesta infelicidade, e não por azelhice, como perdeu hoje.



Quando se constrói um plantel, quando se constrói um estilo de jogo, quando se faz uma equipa, em todas as suas vertentes, e se se faz isso para se ser campeão, este tipo de jogos tem de ser pensado de raiz. E não apenas os jogos com o Chelsea, com o Porto ou com o Braga.



O Benfica pode ser campeão (na verdade, não pode, mas pronto…) mas continua a não ter uma equipa campeã. E o mais dramático é que, daqui a dois meses, quando toda a gente andar a sonhar com a nova época, ninguém, provavelmente, dos dirigentes aos adeptos, se vai lembrar que os Olhanenses debaixo dos alçapões também existem, e que é nesses alçapões que se ganham ou perdem campeonatos. Porque uma coisa é andar na luta, a outra é estar preparado para ganhar a luta.

21 comentários:

  1. Que dizer?


    Estou de rastos... Nao jogamos um caralho!

    Se o Emerson estiver ca para o ano que vem deixo de pagar as quotas; ele nao é jogador de futebol. Se no futebol só triunfam os melhores como é que o Emerson vingou ?!

    ResponderEliminar
  2. O Emerson não vai estar cá porque provavelmente este treinador também não...

    ResponderEliminar
  3. Ora nem mais!! A mesma pergunta jogo após jogo!! Como é que há tanto pessoal com talento para jogar à bola e não conseguem singrar e este Emerson consegue ser jogador?!! É contra-natura!!

    Hugo, e agora a sua opinião mantém-se sobre o alargamento? Uma equipa em 7ºlugar, já não desce nem luta pela Europa, ou seja do meio da tabela já não sai, tudo em condições de realizarem um jogo ofensivo (ainda por cima em casa) e atrativo!! E o que acontece? Conceição, a pedido provavelmente de outrem, mete a equipa toda lá atrás, sem se preocupar com o ataque e o golo!! É que parecia que nem marcar queriam, pois podiam deixar cerca de 5cm de espaço nas costas para o adversário e punham o cashê em risco!!

    E você ainda defende o não-descida de dos clubes?!! Ora tá certo...

    ResponderEliminar
  4. Hugo a tua análise é correta, este é o tipo de jogo que um Clube (equipa) vence, e que ''a'' equipa geralmente nunca ganha... Eu iria um pouco mais longe e diria que existem (ainda) muitos factores que nos ''prendem'' a este espírito não campeão: Começa na escolha do plantel em Agosto e termina na blindagem que o clube/direção oferece a equipa ao longo do ano - não se trata de por tudo em causa ou criticar o que esta feito, mas sim de verificar que existem zonas na estrutura que deveriam ser melhoradas... Mas isso é um tema com muito ''pano para mangas''!!!
    Interessa agora o presente e creio que o JJ hoje falha (como em Coimbra) com a entradas dos avançados todos... Muito errado quanto a mim, foi um festim de passes longos para muitos avançados baixos, e sem ninguém capaz de transportar a bola convenientemente...
    De resto só para dizer, bem sei que não gostas de falar na arbitragem, mas repara que com as constantes que temos sido alvo nos últimos tempos os próprios jogadores têm tendencia a desistir mais cedo, acumulam-se os erros, a mente procura desculpas etc... Enfim é um acumular de muitos factores e que tu tens vindo a descrutinar no teus posts...
    Este ano ficamo-nos pela taça da liga, mas estou convicto que estamos cada vez mais fortes de época para época...
    Ass Scorpion


    PS: É uma ideia cá minha, talvez um assunto de um possível futuro Post teu, acredito que num clube de futebol os Planteis não devem ser demasiado longos em jogadores de qualidade, temos demasiados avançados, caso tivesse o Enzo muitos extremos também, mas refiro-me concretamente aos factores psicológicos, eu se fosse o Saviola depois de Guimarães, taças etc hoje tinha mandado o JJ lá para dentro, tenho uma ideia um Núcleo de 16/17 jogadores titulares podem ser o pilar de uma equipa campeã... Maior União, Coesão, mais simples de Motivar, mais simples de Gerir até em TODOS OS CLUBES no início e no fim são sempre os mesmos 15/16 que jogam, mesmo tendo 24 ou 25 Messis e Ronaldos... Que me dizes?

    ResponderEliminar
  5. A culpa não pode ser só do Emerson.Não gosto dele mas não é o unico problema e tentar desculpar o jogo de ontem através dele é errado.Claro que se Aimar não fosse expulso ou se Saviola tivesse tido a sorte de marcar no fim teriamos agora outra conversa.O que acontece com a nossa equipa é que consegue alternar entre o sofrivel e o bom.Somos uma equipa de ataque e transições ofensivas que gostar de jogar ao estilo british de uma baliza a outra como aconteceu na Terça.Mas ontem encontramos um autocarro blindado e aí não temos futebol para quebrar isso pois temos um grave deficit de circulação de bola.Um golo até mudaria a postura dos adeptos e faria esquecer os defeitos da equipa mas isso não pode surgir.Temos que ver o que correu mal (mesmo nas vitórias) e não pensar por exemplo na expulsão.(Eu sei que nos é dificil não pensar em tudo o que aconteceu desde Guimarães...).
    Também é claro que fatores extras surgiram no momento certo para destabilizar e prejudicar mas temos que jogar mais para os contornar dentro de campo.
    De resto hoje prevejo que haja um grande jantar em Olhão.Será que o Serginho vai pagar como recompensa?Sabemos o ódio que tem ao nosso clube,quem não se lembra do jogo de apresentação Benfica-Lazio em que o rapaz espumava todo e queria dar porrada em tudo?
    Agora espero que a equipa tenha cabeça limpa e acredita e LUTA até ao fim pois ainda é possivel.O titulo poderá estar mais dificil mas ainda tudo pode acontecer desde que não percamos mais pontos.
    Agora que venha a CL!!!

    ResponderEliminar
  6. Já cá faltavam os aziados do costume a tentar encontrar um bode expiatório, o Emerson. Como se fosse ele o culpado do empate.

    Tenho a certeza que andaram a voar malas com dinheiro vindas do norte, ou não fossem o presidente e o treinador andrades, para motivar os jogadores do Olhanense. Nunca os vi a jogar tanto, fosse contra quem fosse, de tal maneira que já estavam rebentados a mais de 20 minutos do fim.

    Quanto ao texto do Hugo está bem como exercício teórico, como um ensaio feita para a Universidade, mas não me cai no goto. Exclui factores muito importantes que não são considerados, alguns deles até desconhecidos. Pela mesma ordem de ideias o Real Madrid e respectivos treinadores, que empatou os últimos 2 jogos, também não é uma equipa campeã.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa é boa... Bode expiatório... Nao joga nada e pronto. A culpa é dele mas é mais de quem o põe a jogar!

      Eliminar
  7. Esta equipa não tem estofo de campeã e isso parece-me claro. Podemos falar do árbitro e da sorte, etc e tal, mas estaremos sempre a enganar-mo-nos. Ontem se criámos 2 oportunidades de golo, foi muito e não há justificação que esconda esse facto. Num jogo como o de ontem, com uma equipa fechada como o Olhanense, precisamos de extremos verdadeiros. Onde estão eles? Urreta no Guimarães, Enzo na Argentina.
    Quem temos que pense o jogo? Aimar. Sai Aimar, quem fica? Ninguém.

    Engane-mo-nos com o árbitro, se quisermos. Eu acho que Aimar foi pouco inteligente. Sem dúvida que o pé dele foi parar onde foi parar por causa do choque, sobre a bola, com o pé do adversário, mas quem não se quer molhar, não anda à chuva. Tantas vezes olho para os jogadores do Benfica e vejo atitudes em que se expõem, com consequências negativas para a equipa, à arbitrariedade dos tipos do apito. Se é essa a realidade, é preciso viver com ela e minimizar as consequências que dela podem advir, e não fazer o contrário.

    Ontem, na minha opinião, enterrámos definitivamente a candidatura ao título. O resto são fait divers.

    ResponderEliminar
  8. "Enterrámos definitivamente a candidatura ao título"? "Esta equipa não tem estofo de campeã"?

    "Fait divers" são afirmações destas. E quem diz isto, um benfiquista? Ou será um especialista em futebol? Por um momento pensei que fosse um andrade a falar. Estes é que costumam falar assim, basta ler os blogues deles.

    Um benfiquista apoia sempre a sua equipa, e acredita nela, até ser impossível. Isso é ser benfiquista! Os benfiquistas que não acreditam e não defendem a sua equipa não são benfiquistas. Chamam-se outra coisa qualquer!

    Pois eu ainda acredito no título e tenho a certeza que os nossos mais directos adversários irão perder muitos pontos. Há ainda muito jogo importante para se jogar! E aposto com quem quiser!

    ResponderEliminar
  9. Caro Manuel,

    Uma coisa é ser benfiquista e apoiar a equipa, coisa que faço sempre. Já não sou capaz de acreditar no que me parece manifestamente improvável. Mas repara, acreditar é diferente de desejar, o desejo de que a equipa seja campeã não muda. Mas não sou cego e, com toda a franqueza, o desejo enorme de ver o Benfica campeão não me impede de achar que a equipa não mostra o que é necessário, na minha modesta opinião, para ser campeã. Isso deixa-me tanto mais frustrado quando creio que tinha todas as condições para o ser, se não tivesse desperdiçado 10 pontos em tão pouco tempo.

    Podíamos debater o que é ser benfiquista ou não, mas não creio que este seja o lugar. Desculpo-te o exagero de dizeres que não sou benfiquista, atribuindo isso a um exacerbado benfiquismo. Não te levo a mal por isso.

    Não quero apostar contigo, mas acredita, se o fizesse, seria uma aposta que perderia com toda a satisfação!

    ResponderEliminar
  10. Rui, eu acho que é bem mais grave as tuas afirmações sobre o Benfica do que eu achar que quem se expressa assim não é benfiquista! Esta á a minha opinião e não a mudo. Para mudar, mudava de clube!

    As pessoas não devem perder o tino, devem manter a cabeça fria especialmente nestas ocasiões, pois não serve de nada perdê-la. É que se a perdermos, já não a encontramos.

    Se o Saviola tivesse metido a bola no último segundo, o mesmo jogo teria comentários totalmente diferentes dos benfiquistas. Apesar do jogo e da exibição ter sido exactamente a mesma.

    Vejam o que o Benfica fez hoje. Fomos ganhar no basket àquele antro de anti desportivismo e fair play feito especialmente para que o público não permita veleidades aos adeptos adversários. O pavilhão leva apenas 2000 pessoas. Aos do Benfica nem são permitidos sequer entrar, com a cumplicidade das autoridades policiais e desportivas! Isso não acontece em qualquer outro lado do mundo!!! EM QUALQUER OUTRO LUGAR NO MUNDO!! Mas hoje foderam-se!! E acredito que foi a primeira de muitas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Manuel,

      As minhas afirmações resultam da minha liberdade de pensar sobre o que vejo. As minhas afirmações sobre o Benfica são graves? Dizer que a equipa mão tem estofo de campeã é grave? Dizer que acho que perdemos o campeonato ontem é grave?

      Meu caro Manuel, as minhas opiniões são apenas minhas e não têm qualquer influência sobre o que quer que seja e, ainda que tivessem, não deixariam de ser a minha opinião. Creio que já escrevi aqui que o próprio Benfica tem, ao contrário dos outros clubes ditos grandes, uma enorme tradição democrática. Sugerir o pensamento único, isso sim, é ir contra uma das coisas que sempre distinguiu o Benfica dos demais.

      Tenho, aliás, a opinião, não só no Benfica, mas em tudo, de que os seguidismos acéfalos são o adubo ideal para a construção das maiores asneiras em todas as áreas. O próprio país atravessa uma lamentável situação que foi durante muito tempo mascarada por uma corte de seguidores do então inefável líder e a excomunhão virtual dos que se atreviam a criticar. No Benfica, a situação não é comparável, mas os seguidismos no Benfica também não levarão a nada de bom.

      Só para terminar, tenho experiência pessoal de situações inacreditáveis no velho pavilhão Américo de Sá. Sempre houve uma impunidade incrível em relação aos maiores desmandos lá cometidos. Gostei da vitória do Benfica hoje, por números esclarecedores. Espero bem que se repita, porque é bem provável que o Benfica precise de voltar a ganhar lá para poder recuperar o título que perdeu o ano passado!

      Eliminar
    2. A palavra democracia deve ser a palavra mais deturpada e desvirtuada em Portugal. Dá para tudo, para dizer as maiores asneiras, "porque tenho o direito de as dizer", de fazer os maiores desmandos, "porque tenho o direito democrático de os fazer, etc. A tradição democrática do Benfica - outro "cliché" que convém ir buscar quando convém - não dá o direito aos adeptos de soltar da boca para fora todos as asneiras que se ouvem e lêem por aí.

      O PCP e demais amigos fazem greve, "porque têm o direito (democrático) à greve"", numa altura em que o país está nas lonas. Ajudam a matar o morto, porque acham que têm o direito democrático de o fazer! Como dizem os cobardes, "bate-lhe enquanto está no chão"! Quem defende isso não sabe o que é democracia.

      Democracia, como eu a aprendi é, acima de tudo, RESPONSABILIDADE. Porquê? Porque quando maior a liberdade, maior tem de ser a responsabilidade e a exigência sobre nós próprios. Mas vão explicar isso a alguns portugueses, especialmente aqueles olham apenas para o seu umbigo. Basta andar na estrada para perceber o que eu quero dizer.

      Será que ser responsável é seguidismo acéfalo? Acéfalos são os que agem irracionalmente, como os animais. O que é o pensamento único? Criticar sempre que se perde - procurem o culpado! - é que se pode chamar de pensamento único. Nunca falha!! Estar calado ou apoiar quando se perde, NÃO!

      O facto de a democracia, ou a liberdade que ela concede, dar o DIREITO de dizer tudo aquilo que nos vem à cabeça, o DEVER de adepto, aliado ao bem senso e à inteligência de humano (aquela coisa que nos diferencia dos animais) aconselha que por vezes não dizer nada é o melhor para aquilo que tentamos defender. É tudo uma questão de equilíbrio mental. E de inteligência. Mas há quem goste de agir irracionalmente, apenas porque tem o "direito democrático" de o fazer. E provavelmente para que não o confundam com um "seguidista acéfalo"!.

      Eliminar
    3. O que é asneira ou não, depende de quem o avalia. Eu, na minha modesta opinião, acho que o teu último post é uma coleção de asneiras grossas. Não te reconheço qualquer autoridade para que sejas tu quem decide o que é uma asneira ou não.

      Na minha experiência (e já tenho alguma), os tipos que defendem sempre o status quo, como tu fazes infatigavelmente, não contribuem para que se mude coisa nenhuma. Para eles está sempre tudo bem, pode acontecer desastre atrás de desastre, mantém-se o sorriso e a esperança nos amanhãs, que, com inabalável fé, irão cantar.

      Podes achar que tudo se resolve com muita esperança e ainda um pouco mais de fé. O Benfica até pode ganhar o campeonato e nem assim terás razão. É a cultura de defesa do status quo que nos trouxe onde estamos hoje, atirando sempre a culpa para o lado dos outros, recusando cegamente ver onde estão as debilidades que explicam jogos como o de Coimbra, o de Guimarães, o do Porto ou o de Olhão. Basta ver o que aqui foi escrito desde o início da época, para que se encontrem essas debilidades dissecadas. Como ninguém as atacou decentemente, porque o Benfica etá cheio de gente que se defende tanto quanto pode, elas persistem.

      Para o teu peditório eu não dou, porque mesmo que concordasse com as tuas opiniões, e não concordo, não tenho qualquer espécie de respeito intelectual para quem se limita a seguidismos acéfalos. Também não recebo lições tuas sobre o que é ser Benfiquista. Pelo contrário, sei que não quero ser um Benfiquista nem um cidadão como tu. Acho que a merda do estado a que chegámos, quer no país, quer no Benfica, resulta de estarmos sempre disponíveis para estarmos caladinhos, na defesa do maravilhoso status quo, porque isso é que é inteligente e responsável. Eu acho que não é nem uma coisa, nem outra, e estou-me a borrifar solenemente para a tua opinião sobre o assunto.

      Que os teus amanhãs cantem, Manuel :).

      Eliminar
    4. Caro Rui, não percebeste nada do que eu disse.
      "O que é asneira ou não, depende de quem o avalia". Por essa ordem de ideias o assassino ou o violador se acha que não é asneitra, então não é asneira. Ele é que decide, pois é ele que o avalia. Há muito tempo que não ouvia nada tão estúpido!

      Tu não me reconheces nenhuma autoridade? Estás no teu direito "democrático", mas não respondeste nem contestaste às minhas afirmações a não ser com disparates, como o de acima.

      Eu não defendo o "status quo". O que defendo é que há um tempo para tudo, para criticar e também para apoiar. E uma pessoa inteligente percebe quando é a altura de criticar. Agora é tempo de apoiar pois estamos na luta em várias batalhas e não é altura de começarmos a disparar sobre os nossos. Será necessário fazer um desenho?

      Quando se é atacado, ou quando se está em crise como está o país, é a altura de TODOS darem as mãos. Não é com críticas e divisões que se resolve a crise ou se promove o progresso. Impossível!! É uma questão de SOLIDARIEDADE. Mas há muita gente que não percebe isso neste malfadado país.

      Os defeitos que o Benfica, a direcção, os treinadores, os jogadores e todo o resto da estrutura têm são naturais numa organização humana. Exigir que não se cometam erros no Benfica é uma perfeita utopia. Toda a gente, sem excepção, comete erros e não podemos ser mais exigentes com os outros do que somos com nós próprios.

      As pessoas criticam e barafustam para se sentirem melhores COM ELES PRÓPRIOS, porque lhes dá a sensação de fazerem algo, quando no fundo se sentem totalmente impotentes. Mas não fazem. Continuam impotentes e contribuem ainda mais para a crise e a anarquia.

      "Em casa onde não há pão, todos ralham e NINGUÉM TEM RAZÃO"! Este é um ditado português muito antigo e que espelha bem o que eu quero dizer.

      Vamos apoiar quem dirige o clube. Um ataque, especialmente neste momento, contra quem dirige o clube é um ataque contra o Benfica.

      O teu último parágrafo denota uma arrogância própria e fruto de alguma frustração. O que explica até certo ponto as tuas tiradas. Enfim, cada um sabe de si, mas nunca te esqueças do que disse Samuel Butler, "As características mais verdadeiras da ignorância são a vaidade, o orgulho e a arrogância".

      Eliminar
    5. Caro Manuel,

      Sugiro que leias o que escrevi aqui, antes do teu comentário inicial, e faças o favor de destacar a parte onde ataquei a Direção do Benfica.

      Sobre a arrogância, reconheço-te uma enorme autoridade. Quem se arroga, como tu, o direito de dizer quem é um bom ou um mau Benfiquista, atingiu um estádio de evolução nesse domínio, com o qual todos podemos aprender - para o podermos evitar, bem entendido.

      Sobre a frustração meu caro, como Benfiquista, podes crer que sim. A frustração de sentir que por erros próprios, acima de tudo por erros próprios, corremos o risco enorme de perder um campeonato onde há um mês, mais coisa menos coisa, tínhamos 8 pontos de vantagem sobre o clube corrupto, acrescido de uma potencial vantagem no confronto directo e deitámos tudo isso fora. Podemos, com enorme probabilidade, perder um campeonato que, se vencessemos, podíamos abalar o domínio do clube corrupto sobre o futebol português como não fizemos nos últimos 30 amos. Se isso não te deixa frustrado Manuel, seguramente será por seres um bom Benfiquista. Eu, mau Benfiquista certificado por uma suprema autoridade no assunto, sinto-me muito frustrado.

      Sobre a impotência, só te posso dizer que sou sócio e acionista. Haverá tempo, juntamente com os outros sócios cá de casa, para contrariarmos essa impotência, na medida em que a tradição democrática do Benfica, apesar de coarctada por um acto indigno dessa tradição, o permite.

      Eliminar
  11. Vamos acreditar que ainda é possivel e apoiar a equipa.O presidente já falou com o plantel e nós devemos apoiar os jogadores.Estes tem de acreditar e sentirem que é possivel.Claro que não se pode repetir jogos destes mas é fundamental continuar a lutar e não ser absorvido pelo desanimo.A equipa tem de sentir isso,temos que lhes fazer crer e já na Terça-Feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Correção:Apoiar a equipa nos proximos jogos pois em relação ao Presidente fez o que tinha a fazer e bem.Para que não haja confusões... : ))

      Eliminar
  12. Eu continuo na minha, e pergunto de novo ao Hugo se mantém a opinião de um campeonato "fechado" ser benéfico?

    ResponderEliminar
  13. Sinceramente, quanto à questão do campeonato fechado, hugo tem razão. Semi-fechado neste caso. Sexta vimos uma equipa a jogar em casa e a defender do primeiro ao ultimo minuto. O treinador veio para a flash interview a sorrir, contente da vida... Mas nao tenho duvidas que muitos daqueles jogadores queriam JOGAR PARA GANHAR, simplesmente porque é esta a essência da competitividade e dos competidores. Quando uma equipa tipo olhanense joga contra um dos grandes (principalmente benfica e Porto) os interesses e as vontades de jogadores e instituição chocam, mas quem leva melhor é obviamente a instituição. Isto, é castrar a natural apetência do jogador para ganhar (ou pelo menos tentar). porque sexta nao houve empate; houve vitoria do olhanense (manutenção garantida) e derrota do Benfica (perda do melhor jogador para o próximo jogo da liga e campeonato por um canudo

    ResponderEliminar
  14. Houve em JJ uma inversão das prioridades.E nessa inversão ele não estava a pensar no Benfica,mas no seu próprio ego.Tal como o Koeman.A direcção neste caso é que é a culpada pois a prioridade deveria ter sido sempre o campeonato e não a CL.Podemos clamar que fomos gamados pelos árbitros(que fomos).Mas perdemos com o Guimarães porque nos desunhamos na Rússia e a equipa ficou de rastos.Aliás começa aí o descalabro físico da equipa.E não vai terminar aqui,pois o Porto e Braga apenas têm o campeonato para jogar enquanto nós vamos entrar num ciclo infernal.E quem tudo quer tudo perde.As prioridades foram alteradas e não temos uma equipa com classe suficiente para ir a todas.O resto é conversa.E não me venham com a história que não sou benfiquista por estar a tentar pensar o mais racional possível.

    ResponderEliminar