segunda-feira, 9 de abril de 2012

Duas formas da banalidade

O Benfica devia ter entrado com a táctica que usa na Luz contra as equipas pequenas. O Sporting jogou como se estivesse a jogar na Luz, mas com a vantagem de estar em casa. Se o Benfica tivesse entrado a perceber que ia defrontar um autocarro teria ganho vantagem.

Já o Sporting, ganhou o jogo mas não ganhou mais nada, pelo contrário. O que o Sporting tinha a ganhar hoje não era o jogo, nem os três pontos: era o mesmo que o Benfica tem a ganhar quando joga com o Porto – uma atitude de predador. E fez exactamente o contrário. O Sporting ganha um jogo mas, não chegando ao extremo de dizer que perdeu uma equipa (porque seria um claro exagero), perdeu uma grande oportunidade de lançar a próxima época com um sentimento de superioridade sobre o Benfica. Algo que lhe vai ser muito necessário, pois o seu objectivo será, novamente, ficar à frente do Benfica.

A forma como cada jogada perfeitamente banal era aplaudida pelo banco do Sporting, como fosse o banco do Rio Ave a ganhar ao Benfica na Luz, chegou a ser constrangedora. A festa imensa no final do jogo também, sobretudo no olhar embevecido do Sá Pinto, como que a dizer: «Ganhei ao Benfica. Hoje posso dizer que cumpri o meu destino como treinador do Sporting.» Fazer de um Sporting-Benfica, no quinto lugar do campeonato, o jogo da época, é de facto revelador, e só augura novos cataclismos vermelhos no caminho do Sporting nos próximos anos. Claro que o que vão dizer na imprensa não é isto, é que este jogo foi só mais um, porque, no fundo, têm noção da mediocridade. Só não estão dispostos a prescindir dela.

Quanto à sua importância na conta corrente dos dérbis, até nem é mau que o Sporting tenha ganho. Equilibra os números para quando for preciso jogar os jogos a sério. O da primeira volta, por exemplo, foi bem mais importante do que este. O Sporting começou a morrer nesse dia. Hoje, o Benfica só acabou de morrer, a ferida já estava a sangrar há muitas semanas.


A porrada que o Javi deu no Volkswagen aos 25 minutos deveria ter sido dada aos 5. Anjinhos.



Acho que já percebi porque é que o Maxi Pereira começou a fazer aquela finta marada de metar para dentro sempre que tem a bola: esqueceu-se de como se centra. Escusava era de ter voltado a começar neste jogo.



Segundo os critérios do Soares Dias houve três penáltis na primeira parte, um deles a favor do Benfica no primeiro minuto. Em nenhum dos três o jogador caíu por causa do contacto. A razão por que marcou só um é um mistério de Fafe. Aliás, faltas iguais àquela houve dezenas durante o jogo, e ele só marcou metade. Ter calhado uma delas ser um penálti é, obviamente, pura coincidência.



Mas agora a sério…



O Benfica entrou mal preparado e completamente desconcentrado para um jogo em que teria de mostrar fibra de campeão. Não sabia como jogar, não soube executar, mostrou novamente todo o seu défice colectivo e mostrou que não tem estaleca suficiente para chegar e ganhar quando é preciso – faltou-lhe classe. Deu a ideia de ter entrado convencido de que já não havia nada a ganhar depois da vitória do Porto em Braga.

É um ponto final conclusivo que, tal como no jogo com o Porto, na Luz, pode ser encarado de duas maneiras pelos adeptos: ou fazem de conta que perderam por causa do árbitro, e voltam a perder para o ano e para outros anos a seguir; ou assumem que perderam porque não têm equipa suficiente para ganhar um campeonato de forma categórica.

Tenho a sensação de que sei o que o Jesus e o Vieira vão dizer, mas a opinião pública só pode ser manipulada se se deixar manipular.

O Benfica passou por situações muito distintas neste campeonato: sendo a equipa mais mediática (e não, atenção, a mais eficiente), fez figura de campeão durante metade da época, não por ser a melhor equipa mas porque a melhor equipa estava a perder o campeonato por si própria; quando teve oportunidade para mostrar que tinha estofo para ser campeã não a aproveitou e foi ela a perder o campeonato.



Neste momento, em que tudo vai parecer mau (porque o animal-homem é mesmo assim) convém dizer duas coisas muito breves:

- se o Benfica acabar em segundo lugar terá feito uma época acima das expectativas (realistas) iniciais, e em termos de qualidade competitiva, no cômputo geral (e na minha opinião), fez a melhor das três épocas do Jesus. Melhor que a primeira, onde só foi campeão porque a concorrência era menor, e muito melhor que a segunda;

- o que levou o Benfica a sucessivos fracassos nos últimos 30 anos não foi ter perdido campeonatos: foi, por um lado, não ter compreendido as razões das derrotas, e, por outro, não ter construído sobre elas, atirando-se a mudar o que estava mal e o que estava bem, sem método nem critério.



O ponto da situação do Benfica, não só a partir de agora mas desde a derrota em casa com o Porto, é o seguinte: se acabar o campeonato no segundo lugar está em óptima situação para começar o próximo como principal favorito (real, não teórico) à conquista do título. No fundo, o melhor que realisticamente se poderia esperar depois de uma época avassaladora por parte do Porto. Tudo depende do trabalho que se fizer no Verão – e o que o Porto possa fazer na resposta nem sequer é assim tão importante, porque a iniciativa está do lado do Benfica. Basta começar a dar ao pedal com força, acreditar e não facilitar – incluindo, obviamente, com os Soares Dias deste país.

Se ter ficado em segundo neste campeonato será, a longo prazo, melhor do que o ter ganho, veremos. É algo que só se pode dizer ao fim de muito tempo. No fim de dez anos há sempre campeonatos que se ganham e campeonatos que se perdem. O que fica, e o que faz a diferença nesse grande plano, é como eles são ganhos.

Volto a dizer o que já disse aqui várias vezes: ganhar sem o mérito suficiente é uma tentação perigosa, pela qual o Benfica pagou bastante caro ao longo dos últimos anos.



P. S. 1 – O Benfica não conseguiu fazer um único remate à baliza na sequência de um canto ou de um livre, e não chutou de longe. Como é que queriam marcar golos ao Rui Patrício?

P.S. 2 – Quando vejo o Jesus a gesticular para os jogadores, aos berros, a descobrir, naquele preciso momento do jogo, a chave para a vitória numa simples troca de posicionamento de dois jogadores ou no adiantamento dos médios em dois metros, fico sempre com uma angústia cá dentro de mim, em forma de dúvida: o que seria desta equipa do Benfica se em vez de passar a semana a treinar tácticas treinasse futebol?

28 comentários:

  1. Depois de um jogo em que não jogámos um crlh e nos pusémos a jeito para as habilidades de um grandissimo filho de mãe pouco séria como o Soares Dias só me apetece dizer que estou farto do JJ.

    Morra o JJ. Pim!

    O JJ é um habilidoso!

    O JJ veste-se mal!

    O JJ usa ceroulas de malha!

    Morra o JJ. Pim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já há 3 anos que usa a mesma pastilha elástica.Adeus e vai-te embora.

      Eliminar
  2. Acabei de ver o Jesus na flash-interview, e o que eu vi ali não foi um treinador angustiado. Pelo contrário. Vi um treinador reconfortado.
    Não vi o Jesus de três anos no Benfica. O Jesus a desculpar o árbitro no momento da derrota? A dar os parabéns a toda a gente?
    Impossível.
    Vi o Jesus que já sabe que vai sair do Benfica.

    Escrevam aí: nesta altura o Benfica já tem treinador para a próxima época e o Jesus já sabe quem vai treinar no ano que vem. E não é o Benfica, nem é em Portugal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que tenhas razão, Hugo. Eu já estou farto de só ganharmos Taças JJ... isto se tivermos fôlego para o Gil.

      Obrigado e até sempre, JJ.

      Eliminar
    2. Hugo,

      O JJ também pode saber que fica, seja de que forma fôr, imune à opinião dos maus Benfiquistas...

      Eliminar
    3. Não viram o gajo a rir-se para o joão pereira após o jogo que hipotecou as nossas possibilidades de reconquistar o título?
      Foda-se...

      Eliminar
  3. É preciso sim segurar o 2º lugar antes que seja entregue aos capangas da mafia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem nome mas com boas ideias.

      Eliminar
    2. Infelizmente é a constatação.A equipa não pode ir abaixo pois o objetivo CL é fundamental.Temos que criar o hábito de lá estar sempre.Para a próxima época queria pedir uma equipa mais inteligente,capaz de grandes combinações e triangulações e sobretudo alguem que saiba marcar cantos e livres para a area!
      (Desculpa o anónimo mas já nem me lembrava da minha pass do Google).

      Eliminar
  4. O que vi foi o JJ a CULPAR o árbitro, várias vezes, por não ter marcado um penalty claro a favor do Benfica logo no 1º minuto do jogo. Ou isso ou então oiço mal.

    Quanto ao JJ, não acredito que vá deixar o Benfica. Espero que fique para á próxima época, independentemente de como acaba esta, e cumpra o contrato que tem.

    E espero que aguentemos o 2º lugar e ganhemos a Taça da Liga.

    Esqueci-me de uma coisa: o campeonato ainda não acabou! Eu, por temperamento e pelo facto de ser, de facto, benfiquista, só atiro a toalha ao chão quando for mesmo impossível ganhar. Isto é, no fim última jornada.

    PS. O Sporting hoje ganhou bem. Vieram com a lição (táctica) muito bem estudada. Anularam-nos todos os pontos fortes. Parecia o Valencia ontem contra o Real. Curioso, o RM também perdeu a vantagem de 10 pontos que tinha, uma equipa sem classe. O Mourinho também não presta. Do Ronaldo, do Benzema e do DiMaria é melhor nem falar. Também não prestam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O JJ estava na boa. Até piadas trocou com o João Pereira quando o jogo acabou.
      Acredita: o homem tem contrato feito e, para infelicidade tua, já não é com o Benfica. Mas não te preocupes: assim que vier o Paulo Bento ou o Jardim ou o Scolari eles passam automaticamente a ser melhores que o Jesus em todos os aspectos do jogo - sobretudo no dia em que o JJ for para o Porto ou para o Sporting. Porque a lógica do «nós e os outros» é fundamentalmente essa, afinal.

      Quanto ao Real, é verdade, veremos se tem ou não tem classe. Porque isto da classe não é uma bitola universal. Equipas diferentes têm desafios diferentes, de classe diferente. O que se espera de um jogador do Real não é o que se espera de um jogador do Benfica, nem o que se espera de um jogador do Benfica é o que se espera de um jogador do Olhanense. Mantenho a minha definição de classe: fazer o que tem de ser feito na altura em que tem de ser feito. O Jardel tem classe suficiente para jogar no Olhanense, mas não tem classe para o Benfica, porque o que se pede no Benfica não é o que se pede no Olhanense.
      E há outra coisa: uma coisa é fazer as coisas como deve de ser, no momento certo, na altura certa, como têm de ser feitas, e haver um adversário à altura ou haver azar no jogo, ou lesões, ou sobrecarga física, faltar um pouco e não chegar lá, e tantos e tantos outros factores que condicionam um resultado de um jogo. Outra é dar um pontapé para o ar e esperar que a bola vá cair dentro da baliza. Veremos se esta equipa do Real tem classe suficiente para representar o Real. E olha que a figura que o Mourinho tem feito com os árbitros tem tudo menos classe. Aqui no burgo até passa, porque todos os burros têm palas, mas lá fora é um bocado diferente. Enquanto for ganhando eles fazem figira de benfiquistas e vivem em negação, mas vais ver se os jornalistas espanhóis, mesmo os da Marca, papam grupos de arbitragens se ele não ganhar ao Atlético e perder o campeonato.

      Eliminar
    2. Para todos os efeitos, a classe vê-se mais claramente quando a margem para o erro é menor. O jogo do Real com o Atlético será um bom momento para avaliar a classe real desta equipa. Que eu acho que existe. Acho que o Real, mesmo que não ganhe, vai fazer o tipo de jogo correcto para o desafio que tem pela frente.

      Se a equipa do Benfica tivesse a classe suficiente para ganhar o campeonato não teria havido, sequer, fora-de-jogo do Maicon no 3-2, porque antes disso, com a vantagem de 2-1, o Benfica pura e simplesmente teria metido o jogo na gaveta. Em vez disso começo a cometer erros básicos, sobretudo o de jogar como se não tivesse o Porto encostado às cordas.
      No momento daquele 2-1 o Benfica era campeão. E depois não o soube ser.

      Eliminar
    3. Concordo completamente contigo.

      Eliminar
    4. Não sei se JJ tem ou não contrato com outro clube. O que sei é que se sair o clube será ressarcido, de acordo com o contrato que tem. Quem vier terá todo o meu apoio, que será igual. Eu sou adepto, por isso apoio. Sempre. A crítica (fácil) deixo-a para os "especialistas".

      Quanto à "classe", podia escrever-se um livro sobre isso. Mas tudo não passa de teorias e de opiniões que ficam muito bem num "Ensaio sobre a classe dos jogadores de futebol", que terá algum valor em alguma cadeira teórica sobre o desporto nalguma Universidade portuguesa, mas que não tem qualquer valor na realidade. Porque é tudo muito teórico e subjectivo. E a única utilidade que tem para o desporto é animar algumas discussões em tertúlias.

      Pela mesma ordem de ideias, o Emerson, no jogo de Londres, foi um jogador com muita classe porque, para além de ultrapassar de maneira galante todos as expectativas que as pessoas tinham sobre ele, foi apenas um dos 3 melhores jogadores do Benfica, executando o seu trabalho sem erros, ao "fazer o que tem de ser feito na altura em que tem de ser feito". O que ele fez bem. Emerson (Londres) = classe.
      Assim como hoje, porque foi o melhor defesa (na minha humilde opinião).

      No desporto e na guerra, a história é escrita pelos vencedores. A sua versão da história. Porque os burros, com ou sem palas, seguem os vencedores e os vencedores no fim têm sempre razão. Mesmo quando a não têm.

      Eliminar
    5. Ficaste demasiado impressionado com a questão da faculdade. Não fiques. É como as Novas Oportunidades: hoje em dia qualquer idiota lá entra. Olha o meu caso.

      Mas deixa-nos brincar às opiniões. Não nascemos com talento para jogar à bola e é a única forma que temos de participar. Somos comuns mortais e inofensivos. Vozes de burro não chegam ao céu. Pensa assim: sem os opinadores quem é que pagava a Sport TV, e as quotas, e como é que o Vieira podia depois comprar um argentino por 5 milhões de euros para o emprestar ao clube a quem o comprou? Não era possível.
      Além disso, o pior que pode acontecer é o quê? Termos razão? Mudar o treinador, ou o presidente, ou o defesa-esquerdo? Qual é a diferença? Se mudarem, automaticamente, a partir do momento em que saem, deixam de ser bons, e os novos passam a ser os melhores do mundo, portanto não tem importância. Nós brincamos ao futebol, tu elogias seja quem for que lá esteja e toda a gente fica contente.
      Nem sequer é assim tão importante ganhar, porque quando ganhamos o mérito é do clube, quando perdemos a culpa é do árbitro, e quando as coisas nos correm mal fora disso a culpa é dos gajos que têm «opiniões», portanto está sempre tudo bem.

      Eliminar
  5. O Benfica foi melhor hoje, erros de arbitragem 'a parte? Claramente, nao.

    O Benfica foi melhor ao longo dos ultimos 26 jogos? 'E dificil dizer. O Porto tem mais rotinas bem aprendidas, o Porto tem menos buracos, o Porto tem uma estrutura mais vitoriosa. Mas o Benfica tambem teve muitos periodos bons, muitas exibicoes boas e quase sempre soube procurar a sua sorte.

    A historia dos ultimos 5 deslizes nao 'e uma historia unidimensional. Existe uma dimensao de demerito que 'e da exclusiva responsabilidade do Benfica (Guimaraes, p.e.), uma dimensao de azar do jogo (que faz parte, mas que aconteceu no pior jogo possivel, frente ao Porto) e uma dimensao de arbitragem (que tambem faz parte, mas nao devia fazer, como fez em Coimbra e em Alvalade).

    Concordo com o Hugo quando diz que para melhorar nao se pode estar a descansar 'a sombra de uma vitoria (seja num jogo para o seguinte ou numa epoca para as seguintes) e nao se pode atribuir a culpa dos fracassos exclusivamente a factores externos (tenham eles ou nao parte da culpa). O Benfica precisa de olhar para si mesmo e procurar melhorar a sua dinamica colectiva, procurar tapar buracos qualitativos no plantel e tentar planear uma boa epoca.

    Dito isto...

    Ser melhor nao 'e ser melhor sempre. Se o Benfica foi um pouco melhor que os outros ha dois anos e se foi um pocuo melhor este ano, esta' a ser um pouco melhor dois anos em tres. Nao significa que sera melhor nos proximos 10. O caminho para se ser melhor nos proximos 10 anos passa por sucessos no presente.

    Ser melhor nao 'e ser muito melhor. O Porto foi tao melhor o ano passado que mesmo com erros de arbitragem contra e com algumas lesoes teria sido campeao. Certamente que se luta para ser muito melhor, mas as regras do jogo ditam que para ganhar 'e preciso ser melhor, nao muito melhor.

    Certamente, ser melhor nao 'e ser melhor contra 12. Este ponto 'e parecido ao anterior, mas com claro enfoque em arbitragens. Quem podera dizer que, se nao tivesse havido QUAISQUER erros de arbitragem nos ultimos 8 ou 9 jogos do Benfica, nao estariamos em primeiro? Depois de Academica, Porto e Sporting, acho muito dificil dizer isto com certeza.

    Se o Benfica (dirigentes e adeptos) acharem que so' merecem ser campeoes quando forem melhor que os outros clubes de tal forma que estamos imunes a arbitragens e outras vicissitudes, entao o Benfica vai continuar a ganhar 3 campeonatos em cada 20 anos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No meio disto tudo estamos a esquecer-nos selectivamente dos jogos em que o Benfica foi beneficiado, mas adiante...

      Se o Benfica melhorar por dentro e tratar dos assuntos do lado de fora não vai ganhar só 3 campeonatos em 20. E não tenho dúvidas de que, tal como está o polvo neste momento (a caminho da reforma), a parte de dentro vale 90 por cento do sucesso e a parte de fora só vale 10. O Benfica, este ano, se tivesse sido um pouco mais forte, se tivesse, pura e simplesmente, jogado melhor futebol, teria sido campeão, com ou sem erros dos árbitros. Bastava-lhe não ter perdido em Guimarães.
      O Benfica não deixou de ser campeão por causa da arbitragem, ainda que tenha sido mais prejudicado do que o Porto em momentos importantes.
      É a minha opinião.

      Eliminar
    2. 'E a minha tambem. Tanto o JJ como a propria equipa nao tiveram estofo, pelo menos nao o tiveram com regularidade suficiente. O Porto teve.

      Penso que nao tivemos qualquer beneficio a partir do Feirense (inclusive). Desde o Feirense (inclusive) ja fomos prejudicados em 4, salvo erro. nao estamos a falar de uma fatia insignificante do campeonato...

      Eliminar
    3. O Benfica perdeu o campeonato por culpa própria... e não o perdeu hoje, mesmo que hoje o Soares Dias tenha estado à altura de qualidades já demonstradas em muitas ocasiões (um inacreditável Braga Guimarães vem à memória).

      Na Luz, com os corruptos, depois de estarmos a ganhar 2-1, a equipa demonstrou que não sabe jogar a não ser atacando cegamente. Em Olhão jogámos pior que mal. Em Guimarães, idem aspas. Podemos iludir-nos com os árbitros, mas falta competência, dentro e fora do campo. Foi por isso que perdemos este campeonato, onde estivemos tão à frente! Este custa, mas foi por incompetência nossa!

      Eliminar
    4. Contra factos não há argumentos.

      Eliminar
  6. Tudo bem com as análises.Mas a mim o que me fica é que em 2 meses perdemos 10(dez)pontos.Dass...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perdemos mais: 3 derrotas e 2 empates. São 13 pontos, xirico.

      Eliminar
    2. Esqueci-me de somar a derrota de hoje.F-se para o JJ,sai Rodrigo entra Djaló?Mas há filhos e entiados?

      Eliminar
  7. Somos simplesmente um Clubezinho Patético sem qualquer orgulho proprio, sem estofo e sem Mistica, qualquer dia os corruptos já nem precisam de nos roubar para serem Campeões, somos uma sombra do glorioso Benfica do Passado. Morrem os verdadeiros Benfiquistas que somos nós os adeptos e este clube deixa simplesmente de existir ou simplesmente banaliza-se. Triste dor esta de ser Benfiquista do século vinte e um.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem calma. Devias ter visto como o século XX acabou... Até o Sol se te nascia por sobre o rabinho de manhã.
      Houve um ano em que nem à Taça UEFA foste. De ano para ano o Benfica está a ficar melhor. Já batemos no fundo há bastante tempo. Ou atingimos o topo ao contrário, se perguntares ao Manuel.

      Eliminar