sábado, 14 de abril de 2012

2012/13 alternativo

E se o presidente do Benfica pensasse assim:



- Jesus está esgotado. Já não vai conseguir acrescentar nada e, como tem um estilo de grande desgaste para os plantéis, o mais provável era voltar a gerir mal a equipa. Para quê, então, investir numa equipa liderada por alguém que a vai acabar por consumir, mais do que aproveitá-la, que continua a pensar que o elemento fundamental dessa equipa é ele próprio e que age de acordo com esse convencimento?

Jesus poderá ter um efeito nocivo para uma equipa potencialmente melhor, em todos os aspectos, do que a deste ano. Em vez de potenciar o rendimento dos jogadores, será um anti-corpo, pois toda a gente está em condições de evoluir menos ele – o elemento fundamental, recorde-se. Jesus pode mesmo fazer diminuir uma equipa que está numa etapa de crescimento, se não conseguir acompanhá-la – algo que, dada a sua aparente dificuldade em aprender ou em mudar de métodos, é o mais provável.

O problema do Benfica não é os jogadores, é o estilo. Com estes ou com outros jogadores, melhores, ou mesmo com estes jogadores, melhores, e outros, a equipa voltará a falhar porque o tipo de jogo (unidimensional) que o treinador criou e continua a alimentar é um tipo de jogo inapto para criar soluções, quer ofensivas quer defensivas, nos momentos das decisões. Torna-se irrelevante, neste caso, se os jogadores são melhores ou não, porque o uso que se lhes dá continuará a ser desapropriado. É como passar de uma espingarda para uma metralhadora num combate contra um tanque, quando o que é preciso é um único míssil anti-tanque – uma arma especializada, para a qual o treinador não tem maõzinhas.



- Gastar dinheiro, neste clima de desconfiança, e perante a actual conjectura, seria uma loucura. Vale mais prolongar as negociações televisivas, fazer um ano de transição económica, à espera de um mercado melhor, investir menos na equipa, guardar munições para outras batalhas, até porque é impossível que os adversários também se reforcem como gostariam, pelas mesmas razões. Se o Benfica arrisca e perde pode comprometer as suas finanças durante anos.



- O concorrente (o Porto) encontra-se numa fase de transição, de que a contratação de um novo treinador será o passo mais importante. O que faz com que esta seja a altura certa para jogar na antecipação, aproveitar a vantagem enquanto ela existe, e avançar para a contratação de um novo técnico, o melhor que esteja disponível. O mercado de treinadores com qualidade suficiente para treinar Benfica e Porto é limitado, e assegurar o melhor disponível é não só uma vantagem estratégica como um golpe nos planos do adversário. O segredo para se ser o melhor é ter os melhores, e os melhores treinadores são poucos. O Porto, neste momento, está agarrado a um pepino, mas rapidamente deixa de estar, a não ser que o benfica jogue na antecipação.



- A espinha dorsal da equipa já mostrou que chega para ficar em segundo mas não tem qualidade suficiente para ser melhor que a do Porto. Nesse caso, esta é a altura para, juntamente com a troca de treinador, deixar sair Aimar, vender Javi Garcia e Cardozo (e Gaitán, claro), manter Luisão e Maxi, remodelar o estilo de jogo – algo que não pode ser feito enquanto Aimar e Cardozo estiverem no plantel, por exemplo – e aproveitar a evolução dos outros jogadores, que terão tudo a ganhar se passarem a jogar num registo diferente, mais colectivo, mais inteligente, menos impetuoso, mais competitivo, e tentar subir de bitola, arriscando mais em vez de jogar na continuidade.
Com férias completas, com um estágio de pré-época inteiro para trabalhar, sem um inicio de época com pré-eliminatórias decisivas na Champions, que não deixam espaço para trabalhar a equipa mas quase apenas para preparar os jogos, com o adversário em reestruturação, perdendo Hulk, Álvaro Pereira, Rolando e mais que venham, esta é a altura certa para apostar na evolução, e não apenas de esperar que ela acabe por aparecer. O futebol é acção, não é expectativa, e tem de se provocar a mudança. Sem iniciativa, nada acontece.

13 comentários:

  1. É um ponto de vista interessante, mas neste momento sou incapaz de prever o que LFV fará. A minha opinião é que este 2012/2013 seria melhor que o que previste racionalmente no post anterior. Veremos o que acontece no verão, e esperemos que o Benfica consiga evoluir e apresentar um futebol melhor que o desta época.

    ResponderEliminar
  2. Boas,

    Parece-me que há aí um pormenor que lhe escapa: se o Benfica se antecipar, como preconiza, o porto resolve automaticamente o seu problema...

    Antes de JJ o futebol do Benfica que mais admirei foi o de 92/93. Havia R. Costa, P. Sousa, J. Pinto, Futre, Rui Águas, Paneira, Mozer... Ganhámos uma taça de Portugal! Passaram-se 20 ANOS. É normal o descontentamento, muito português, de valorizar o que não temos. Friamente, das alternativas que se vão apresentando não vejo nenhuma que se diga claramente "este é melhor", ou sequer "este pode ser melhor".

    Claro que tb não gostei da chantagem para renovar. Mas há que perceber as coisas: JJ não é novo, chegou tarde a um clube grande e perdeu grande parte das suas economias no BPP. Acenam-lhe com um contrato de balúrdios e com boas perspectivas desportivas: estavam à espera de quê? Que ignorasse tudo por amor ao Benfica? Essa atitude, pura e simplesmente, não existe em nenhum sector, e no futebol profissional também não. Nem sequer acredito que qualquer adepto do Benfica com capacidade para calçar estes sapatos consiga dizer que tomaria atitude distinta.

    Depois dizem que é teimoso. Claro que é! Estavam à espera de quê? De algo do tipo "tenho a convicção de que esta é a melhor opção mas, eh pá, se toda a gente diz que aquela outra é melhor, então vou escolhê-la"?! Mas já ouviram falar de algum treinador de sucesso do qual não se dissesse que é teimoso? É que normalmente o problema não está neles. O problema é um fenómeno conhecido mas pouco documentado - dá pelo nome de "treinadores de bancada".

    Mau condutor de homens? Nem vou comentar, apenas digo que me faz alguma impressão a desonestidade intelectual que vejo, em alguns comentários, quando, para se fundamentarem neste aspeto, elencam uma série de casos em que a esmagadora maioria não diz respeito a JJ.

    Por mim JJ é bom treinador para o Benfica. Quer isto dizer que defendo que permaneça na próxima época? Não, não quer. Nem o melhor treinador do mundo tem sucesso se não tiver condições para isso. Neste momento penso que ainda há condições para a permanência, mas tudo irá depender do que se passar até ao final da época e até para além disso. É ano de eleições e LFV estará interessado em ganhá-las: fatalmente vai proceder à contagem de espingardas e esta é uma das áreas em que costuma dar pontapés na gramática. Do meu ponto de vista a defesa dos interesses do Benfica passaria pela criação de condições para JJ e uma apresentação clara aos adeptos - "este é o treinador para o meu mandato". Assim. Sem ambiguidades. Vamos ver.

    Cumprimentos

    P.S: sou só eu que acho uma imbecilidade aguardar a equipa para a contestar após uma vitória?! O Veiga acha mesmo que é assim que lá vai?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma coisa é teimosia, outra é burrice. Colocar o Emerson como titular indiscutível é o que? Será que so ele de apercebe da espectacularidade de jogador que o Emerson é? Nao me parece.
      o que ele quer, e acho que o Hugo já referiu isto, é ser ELE a montar aquela estratégia, a insistir naquele jogador, a fazer esta substituição que dê algum título ou taça ou vitoria ao benfica, para depois, nós, adeptos, nos metermos de joelhos e reconhecer-lhe o mérito. Ele quer é a gloria à custa do Benfica, à nossa custa. JJ, VAI PÓ CARALHO !

      Eliminar
    2. O grande problema do Jesus, é, como já foi referido, quer ser ele "O maior". Isso viu-se claramente nas declarações dele no fim do jogo contra o Braga, em que o 2º golo surge de um momento de inspiração de dois jogadores, e ele veio dizer que foi ele o responsável por esse golo por "ter trocado o nico e o bruno...". Outra coisa que não gosto no Jesus é a forma como ele treina uma equipa como se tivéssemos na terceira divisão. Quando está a perder, mete mais avançados, dispensando do meio-campo. Isso cabe na cabeça de alguém? É futebol 101.
      Mas pode ser que ele continue para a próxima época, e que até ganhe o campeonato, mas vai ser muito difícil, se ele continuar a gerir a equipa assim.

      Eliminar
    3. Caro Tiago,

      Não digo o contrário. Mas essa é uma característica muito comum no futebol profissional ou em qualquer outro meio mais mediático. Há alguns, muito poucos, que permanecem humildes e há depois outros que conseguem disfarçar melhor. Compreendo perfeitamente que o irrite - é irritante, mas relativo. Por exemplo Eriksson sempre foi um gentleman, mas ainda se lembra do que foi a sua última saída do Benfica? Toda a gente se queixava porque o homem, tentando mostrar educação e humildade, usava sempre a expressão "vamos tentar"... São as características de JJ, agudizadas pela ansiedade que sofre na comunicação, mas penso que a sua apreciação está sempre dependente do momento. A mim interessa-me mais que o Benfica jogue futebol e penso que com ele tem boas hipóteses de o conseguir.

      Cumprimentos

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. Quem é que removeu os comentários destes malucos aqui em cima?!

      Eliminar
    3. Bolas... Nao digo mais nada

      Eliminar
  4. JJ, grande recordista das "Taças JJ", onde mesmo com clubes inferiores em termos de qualidade futebolistica, acabámos sempre em dificuldade. Só temos equipa aí até Março.

    Já chega, PQP!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quero acrescentar que não me incomoda nada a vitória na Taça da Liga. Ganhámo-la depois de eliminarmos os corruptos (já por 2 vezes o fizemos nesta competição). Desportivamente a Taça da Liga é muito mais relevante e disputada que a Supertaça, troféu favorito da corrupção, conquistada em abundância nos anos em que a mesma floresceu.
      Acha mesmo que a devemos continuar a ganhar, sempre que pudermos. Já me incomoda à brava que SÓ ganhemos a Taça da Liga.
      Quem a desvaloriza só o faz porque não a ganha. O resto é léria...

      Eliminar